ATIVIDADE CONSOLIDADA DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS
EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 (CONTAS NÃO AUDITADAS)

Aspetos mais relevantes

Os Resultados em 2010 foram fortemente penalizados pelo registo de imparidades em participações financeiras e outros títulos no valor de 339,1 milhões de euros.

A desvalorização dos títulos que se tem vindo a assistir desde o início da presente crise financeira tem obrigado a CGD a registar, como custo do exercício, as imparidades relativas, sobretudo, a participações detidas pela CGD e títulos das carteiras das seguradoras do Grupo, ascendendo já o respetivo montante acumulado, desde o início de 2008, a 1 231,7 milhões de euros.

1. Os Resultados líquidos consolidados do Grupo Caixa Geral de Depósitos totalizaram 250,6 milhões de euros em 2010, o que, em comparação com os 278,9 milhões registados no ano anterior, significou uma redução de 10,2%. Esta evolução traduziu, nomeadamente, o reconhecimento, na demonstração de resultados, de imparidades nas participações financeiras referidas no ponto 9, que ascenderam a 339,1 milhões de euros, e que na sua maior parte se encontravam já registadas anteriormente em Reservas de Justo Valor.

2. Os Resultados antes de impostos e de interesses minoritários atingiram 364,4 milhões de euros, valor ligeiramente inferior ao observado em 2009 (-2,7%).

3. O Produto da atividade bancária e seguradora totalizou 3 099,4 milhões de euros, registando uma melhoria de 99,9 milhões (+3,3%) comparativamente ao ano anterior.

4. A Margem financeira estrita atingiu 1 415,3 milhões de euros, diminuindo 7,7% face ao ano anterior, o que que ficou a dever-se, por um lado, ao impacto da redução das taxas de juro, que afetou a rentabilidade, tendo em conta a composição da carteira de crédito, e, por outro, à subida do custo de funding.
Recorda-se que a opção tomada de atribuir prioridade ao apoio à economia, mesmo que com alguma inevitável redução da rentabilidade, traduziu-se numa política de moderação na fixação dos spreads de crédito.

5. As Comissões líquidas progrediram 12,2%, atingindo 502,3 milhões de euros.

6. Os Resultados em operações financeiras foram de 124,4 milhões de euros em 2010 (-37,6%), que se comparam com 199,5 milhões de euros verificados no ano anterior.

7. A Margem técnica da atividade de seguros aumentou 17,8 milhões de euros face ao ano transato (+3,6%), totalizando 509 milhões de euros.

8. Os Custos operativos apresentaram uma tendência de contenção (+1,6%), tendo ascendido a 1 967,2 milhões de euros, beneficiando da evolução verificada na atividade individual da CGD, onde a redução, ocorrida em todas as suas componentes de custos, atingiu cerca de 2,4%.

9. A Imparidade de outros ativos líquida atingiu no ano 354,7 milhões de euros, dos quais 339,1 milhões relativos a títulos, nomeadamente da EDP, ZON e BCP, de fundos de investimento e das carteiras das seguradoras do Grupo, traduzindo perdas em grande parte registadas anteriormente nas Reservas de justo valor.

10. O Ativo líquido do Grupo ascendeu a 125,9 mil milhões de euros, com um aumento de 4% relativamente a dezembro de 2009.

11. Os Capitais próprios totalizaram 7 851 milhões de euros, um incremento de 695 milhões (+9,7%) face ao final de 2009, beneficiando do aumento de capital social, no montante de 550 milhões de euros, ocorrido em dezembro de 2010.

12. O Crédito a clientes, em termos brutos, aumentou 4,9 mil milhões de euros (+6,1%) face a dezembro de 2009, para 84,5 mil milhões de euros, tendo em Portugal, o crédito à habitação subido 1,3% e o crédito às empresas 3,1%.

13. Os Recursos de Clientes totalizaram 67,7 mil milhões de euros, +5,3% que o registado um ano antes.

14. O Rácio de transformação situou-se em 121,0%.

15. O Rácio de solvabilidade, em base consolidada e com inclusão dos resultados retidos, fixou-se em 12,3%, cifrando-se o rácio Tier I em 8,9% e Core Tier I em 8,8%, o que traduz a solidez da Instituição.

16. A CGD reduziu o financiamento obtido junto do BCE em cerca de 35%, de 10,1 mil milhões para 6,55 mil milhões de euros, entre 30 de junho e 31 de dezembro.

17. O total de ativos elegíveis para as operações de financiamento junto do BCE era, em 31 de dezembro, de cerca de 13 mil milhões de euros.

18. O Rácio de crédito vencido a mais de 90 dias situou-se em 2,63%. O grau de cobertura do crédito vencido a mais de 90 dias situou-se em 117,4%.

19. Não obstante a difícil conjuntura económica e financeira, a CGD mantém-se no patamar mais elevado das notações de rating atribuídas a um grupo bancário português:

Notações de rating atribuídas à CGD:

Curto Prazo

Longo Prazo

MOODY’S

Prime –1

A1

STANDARD & POOR’S

A-2

A-

FITCHRATINGS

F1

A

CGD: Atividade Consolidada a dezembro de 2010 (contas não auditadas):


Data:11-02-2011 00:00