.
Fechar

Acesso Caixadirecta

Empresas
Particulares
Fechar

Acesso Caixadirecta

Empresas
Particulares
Caixagest Investimento Socialmente Responsável#ReflorestarPedrógão

Obrigado a todos os Investidores.

30.000

Árvores para reflorestar Pedrógão Grande.

As subscrições efetuadas no Fundo Caixagest Investimento Socialmente Responsável entre 18 de setembro e 31 de dezembro de 2017 permitiram alcançar 30.000 árvores, que serão plantadas a partir de outubro de 2018.

Todos juntos, ajudamos o futuro florescer.

CASTANHEIRADE PÊRAFIGUEIRÓDOS VINHOSPEDROGÃOGRANDEGÓISFIGUEIRÓDOS VINHOSCASTANHEIRADE PÊRAPEDRÓGÃOGRANDEGÓIS

Caixagest Investimento Socialmente Responsável*

O Caixagest Investimento Socialmente Responsável foi lançado num contexto de crescente consciencialização dos consumidores para o impacto das suas decisões de investimento em áreas como o bem-estar social, a sustentabilidade ambiental ou as boas regras de governação corporativa. É o primeiro Fundo gerido em Portugal cuja estratégia de investimento se baseia na seleção de empresas com as melhores práticas nestas áreas, investindo numa carteira de ações (com um limite máximo de 40%) e de obrigações. São excluídas empresas cuja atividade esteja associada a setores com impacto social ou ambiental negativos, como o jogo, tabaco, armamento ou energia nuclear.

Impacto social

Ao investir no Fundo pode continuar a colaborar socialmente, privilegiando as empresas com as melhores práticas de impacto social.

#ReflorestarPedrógão

A Caixa e a Caixagest contribuíram para a reflorestação de Pedrogão Grande, de acordo com o volume de subscrições efetuadas entre 18 de setembro e 31 de dezembro de 2017 no Fundo Caixagest Investimento Socialmente Responsável.

Ao investir no Fundo Caixagest Investimento Socialmente Responsável entre 18 de setembro e 31 de dezembro de 2017, os investidores associaram-se à Caixagest e à Caixa, apoiando a reflorestação de Pedrógão Grande.

As subscrições efetuadas no Fundo Caixagest Investimento Socialmente Responsável no referido período, permitiram alcançar 30.000 árvores, a plantar a partir de outubro de 2018.

Fases da Reflorestação

A pantação de árvores em terrenos públicos do Município de Pedrógão Grande abrange cinco fases:

Fase 1 – Definição dos objetivos das áreas a plantar

O objetivo fulcral é a recuperação ambiental, visando a diminuição dos impactes negativos causados pelos incêndios florestais e a conservação do solo, da água, da fauna e da flora e o aumento da área florestal.

Através da promoção de ações de plantação com espécies autóctones, pretende-se corrigir os defeitos da recuperação de áreas ardidas apenas pela regeneração natural sem condução silvícola adequada, fomentando igualmente a gestão florestal sustentável/responsável.

Fase 2 – Determinação dos locais de plantação

Potenciar o aproveitamento de:

  • Áreas florestais sensíveis / degradadas;
  • Áreas abandonadas;
  • Áreas percorridas por incêndios.

Desta forma contribuímos para as recuperar ambientalmente.

Fase 3 – Escolha adequada das espécies a plantar

Serão utilizadas espécies autóctones adaptadas às condições edafo-climáticas dos locais a plantar. Estas espécies são mais resistentes a pragas, doenças e a períodos longos de estio e chuvas intensas. Destacam-se algumas das espécies mais emblemáticas das nossas florestas:

  • Carvalho-alvarinho - Quercus robur;
  • Carvalho-negral - Quercus pyrenaica;
  • Medronheiro - Arbutus unedo;
  • Pinheiro-bravo - Pinus pinaster;
  • Pinheiro-manso - Pinus pinea;
  • Sobreiro - Quercus suber;
  • Azinheira – Quercus ilex;
  • Teixo – Taxus baccata;
  • Castanheiro – Castanea sativa;

Fase 4 – Descrição dos trabalhos de plantação

Antes de procedermos à plantação, garante-se que o terreno reúne as condições necessárias à instalação e crescimento das espécies florestais propostas. Desta forma, realiza-se a preparação do terreno através de dois tipos de intervenções: controlo da vegetação espontânea e mobilização do solo.

Com as intervenções sobre a vegetação espontânea pretende-se diminuir a capacidade de competição por nutrientes e água, reduzir o risco de incêndio e possibilitar a realização de mobilização do solo e plantação. Realiza-se esta operação manualmente, moto-manualmente ou de forma mecanizada (uso de corta-matos, grada de discos e lavoura), optando sempre pelas operações que minimizem os impactes na paisagem, no solo, na água e na biodiversidade e maximizem as hipóteses de estabelecimento dos povoamentos florestais.

Com a mobilização do solo, pretende-se melhorar algumas das características físicas do solo como a porosidade, capacidade de retenção de água e infiltração hídrica e facilitar ou melhorar o desenvolvimento do sistema radicular das plantas. Utilização de métodos de mobilização localizada (restringida à periferia dos locais de plantação ou sementeira), métodos de mobilização em linhas ou em faixas (de largura variável) e métodos de mobilização total (ripagem e subsolagem, vala e cômoro, lavoura e abertura de covas mecanizada).

Procede-se à colocação das plantas no terreno tendo em atenção o tipo de preparação da estação, o declive e o tipo de solo, de forma a maximização do aproveitamento de água e elementos minerais e evitar as situações de excesso ou de insuficiência de água e as de descalçamento das raízes das plantas.

Instalação de povoamentos florestais que promovem a biodiversidade, contribuem para a melhoria ambiental do local (fixação de CO2, recuperação de solos degradados e percorridos por incêndios, combate de infestantes, etc.), contribuem para a minimização do risco de incêndio na região, contribuem para o aumento da riqueza das populações locais e trazem benefícios sociais como a criação postos de trabalho e espaços de recreio e lazer.

Fase 5 – Monitorização e acompanhamento dos povoamentos

Ao longo de 30 anos após a plantação das árvores, é elaborado um relatório anual com a descrição do estado do povoamento e das operações nele efetuadas. A informação contida no relatório é ilustrada com fotos de 2 épocas distintas do ano.

* O investimento no Fundo pode implicar a perda do capital investido, pois não há capital garantido. O valor diário da unidade participação é divulgado todos os dias úteis nas agências da Caixa, no serviço Caixadirecta, no sítio www.caixagest.pt e através do sistema de difusão da informação da CMVM (www.cmvm.pt).

Esta informação não dispensa a consulta de Informações Fundamentais destinadas aos Investidores (IFI) e do prospeto do Fundo disponível nas agências da Caixa, na página do Fundo em www.cgd.pt e www.caixagest.pt.

Sociedade Gestora: Caixagest - Técnicas de Gestão de Fundos, S.A.- Av. João XXI, Nº 63, 1000-300 Lisboa.
Banco Depositário e Entidade Comercializadora: Caixa Geral de Depósitos, S.A.
Nome do Fundo: Caixagest Investimento Socialmente Responsável - Fundo de Investimento Mobiliário Aberto.

Invista em empresas com boas práticas de impacto social.

Consulte aqui as condições do fundo