Acesso Caixadirecta

Com o Caixadirecta tem acesso ao seu Banco em qualquer lado.

Aceda com o seu Nº de Contrato (Particulares) ou código de empresa (Empresas) e complete a sua autenticação no ecrã seguinte.

Empresas
Particulares
Fechar

Acesso Caixadirecta

Particulares
Empresas
Serigrafias
Serigrafias

A Caixa e o Centro Português de Serigrafia selecionaram para os clientes da Caixa obras de arte de Cruzeiro Seixas, José de Guimarães, Júlio Pomar e Noronha da Costa, artistas marcantes na história da arte contemporânea.

Todas as obras são numeradas e assinadas pelos autores. Um presente com valor para si, ou para partilhar.

Compra exclusiva com o seu Cartão de Crédito da Caixa. Para encomendar contacte o seu gestor ou equipa comercial da sua agência.

O Centro Português de Serigrafia

Iniciado em 1985, tem como missão facilitar o acesso a obras de arte de grande valor, editando, promovendo e divulgando a Obra Gráfica Original de artistas contemporâneos, portugueses e estrangeiros.

Pautado por critérios de qualidade, rigor e autenticidade, desenvolve edições de Serigrafia, Gravura, Litografia, Fotografia e Arte digital em ateliers próprios. Dos grandes mestres portugueses do século XX, aos jovens artistas emergentes, passando no plano internacional, por movimentos emblemáticos como o Surrealismo, a Pop Art, a Figuração Narrativa ou a mais atual Bio Arte, o Centro Português de Serigrafia segue um modelo editorial eclético e formativo e dispõe de uma coleção ímpar de mais de 3.000 obras de cerca de 600 artistas portugueses e estrangeiros, sendo hoje reconhecido internacionalmente como um dos mais conceituados editores de obras de arte.

Sobre a Serigrafia

Na Serigrafia utiliza-se uma trama feita de tela de nylon, esticada num bastidor retangular. A partir da matriz efetuada pelo artista, cada tonalidade é separada, resultando uma imagem no bastidor. As áreas que não são para imprimir são bloqueadas permitindo que, por pressão de um rodo, a tinta chegue ao papel atravessando a trama apenas nas zonas não bloqueadas.
Este processo é repetido por cada tonalidade, significando que uma serigrafia com algumas dezenas de cores pode levar vários meses de impressão.
Foi nos anos 50 que os artistas aceitaram plenamente a serigrafia como uma forma válida de comunicação. A Arte Pop, interessada nas imagens da cultura urbana, encontrou nesta técnica um meio adequado para a recriação dos seus temas.
A serigrafia é a técnica ideal para as composições de carácter plano, sem detalhes demasiado finos e de formato considerável, produzindo uma impressão densa, subtil e sedosa.

Sobre a Litografia

Pode ser considerada um dos meios mais diretos de impressão, uma vez que as imagens são executadas numa superfície plana, tal como um desenho em papel, ou uma aguarela. O artista utiliza um lápis ou tinta gordurosos para criar a imagem intervindo diretamente na pedra litográfica calcária de características especiais. Quando uma litografia está pronta para ser impressa, uma mistura química é aplicada em toda a composição, de forma a assegurar a retenção da imagem desenhada na pedra. Esta é então humedecida, sendo que a água bloqueia as áreas não desenhadas. A impressão da litografia é baseada na relação de repulsa entre a gordura e a água. Com um rolo, a tinta de impressão gordurosa é aplicada e apenas adere às zonas desenhadas, estando as áreas brancas protegidas pela fina camada de água. O papel é depois deitado sobre a pedra, prensado, e por arrastamento manual e uniforme, a imagem é transferida.