Vai comprar carro?
Estas são todas as despesas associadas

Leis e Impostos

Desde as taxas administrativas, passando pelas fiscais, comprar carro envolve custos que vão além do que paga pelo carro. 17-07-2019

A decisão de comprar carro novo ou usado não se esgota em garantir o financiamento. São várias as despesas que devem ser consideradas antes da aquisição.

A título de exemplo, além do montante a pronto pagamento ou na mensalidade do empréstimo se a opção for a compra a crédito, junta-se ainda o ISV, o Imposto Único de Circulação, o IVA, o seguro, o Documento Único Automóvel e outros custos administrativos. Ou seja, entre despesas administrativas e fiscais há muitas contas a fazer.

Além disso, tenha sempre em mente que quanto mais caro for o carro, maior será a sua desvalorização. Este é um fator importante a considerar, sobretudo se um dia mais tarde o quiser vender. Aliás, além do valor de aquisição, esta será, provavelmente, a maior despesa a acomodar. Para ter uma ideia, no espaço de cinco anos, um carro novo pode perder praticamente metade do seu valor comercial.

Comprar carro: despesas administrativas e fiscais

Despesas administrativas

Na compra de carro novo deve, antes de mais, contar com as chamadas despesas administrativas, mais concretamente as despesas com transporte, legalização, preparação e averbamento de documentos, por exemplo.

Estes custos raramente aparecem nas simulações ou nas tabelas de preços dos concessionários e quando aparecem estão em letras pequeninas em rodapé.

Na prática, terá de somar estas despesas administrativas ao valor do automóvel e não fique surpreendido se estas corresponderem, em média, a cerca de mil euros (num automóvel de gama média).

Despesas fiscais

Em relação aos impostos, quer se trate de um carro novo ou usado, terá sempre de pagar o Imposto Único de Circulação (IUC), a pagar todos os anos no mês da matrícula do carro.

Além desta despesa, se vai comprar carro novo também terá de pagar o Imposto Sobre Veículos (ISV). Este é um imposto que se paga uma única vez, dado que incide sobre o registo da primeira matrícula.

Pode fazer uma simulação do ISV no Portal das Finanças para, assim, ficar com uma ideia do imposto a pagar relativamente ao carro que pretende comprar.

Além destas despesas fiscais, conte ainda com o IVA, que não só incide sobre o preço base do veículo, mas também sobre o ISV.

Outras despesas a não esquecer

Após ser atribuída uma matrícula ao veículo, tem um prazo de 60 dias para pedir o Documento Único Automóvel (DUA), o documento que identifica o veículo e que agrega informações do livrete e do registo de propriedade do veículo. Poderá fazê-lo online na plataforma Automóvel Online ou presencialmente na Loja do Cidadão ou nos balcões do Instituto dos Registos e do Notariado.

Para efetuar o pedido terá de apresentar os seguintes documentos:

  • Requerimento do registo automóvel devidamente preenchido (poderá imprimi-lo em casa);
  • BI ou cartão de cidadão com morada atualizada;
  • Número de contribuinte;
  • Certificado de matrícula ou o livrete do veículo.

Atualmente, o preço do DUA é de 55€ se for pedido ao balcão e de 46,80€ se o pedido for feito online.

Outra despesa a incluir na fatura final é a do seguro automóvel. O seguro de responsabilidade Civil é o seguro que é obrigatório por lei e apenas inclui garantia de indemnizações por danos pessoais ou materiais causados a terceiros bem como as pessoas transportadas no veículo (que não o condutor).

Pode sempre contratar coberturas facultativas ou mesmo um seguro de danos próprios, altamente aconselhável para quem compra um automóvel novo de gama alta. Claro que tudo isto tem um preço que deve ser somado à fatura final do automóvel.

Vai vender o carro para comprar um novo? Quais são os procedimentos?

Se vai vender o seu carro atual para ter alguma liquidez para a entrada do carro novo, o nosso conselho é que trate da concretização do negócio com o comprador no IMTT/Loja do Cidadão.

Isto porque será necessário apresentar dados de identificação dos intervenientes no negócio para mudar o registo de propriedade do automóvel, tal como preencher a declaração de venda automóvel.

Além disso, o comprador precisa de ficar com o DUA carimbado pelo IMTT e com um documento guia que comprova que esse carro está agora em seu nome.

Uma última nota: não se esqueça de transferir o seguro do carro antigo para o carro novo, se ainda estiver ativo e se assim o desejar.