Seguro Auto

Como poupar e cuidados a ter

Proteção

Está decidido a mudar ou a negociar o seu seguro auto? Que cuidados deve ter? Como pagar apenas pelo que precisa? 17-07-2019

O prazo de vencimento do seu seguro auto está a terminar e como está decidido a poupar no seguro, no momento, só pensa em duas coisas, mudar de seguradora e tratar do processo o mais rapidamente possível.

Nunca é demais relembrar que as decisões apressadas podem acarretar riscos, razão pela qual importa estar devidamente informado para não dar um passo em falso.

Cuidados a ter antes de escolher um seguro auto

Para escolher um seguro auto adequado às suas necessidades, a primeira coisa que o aconselhamos a fazer é, precisamente, listar o que espera e efetivamente precisa de um seguro automóvel. Isto é, o que é que significa exatamente um seguro à sua medida?

1. Avaliar as coberturas tendo sempre em vista o carro que está a segurar

O seguro de Responsabilidade Civil, vulgarmente designado por "seguro contra terceiros", é a cobertura mínima obrigatória para os carros circularem legalmente na via pública e inclui garantia de indemnizações por danos pessoais ou materiais causados a terceiros, assim como  às pessoas transportadas no veículo (que não o condutor).

Os valores destas indemnizações são os seguintes (sendo que acima destes valores, os danos devem ser pagos por quem causou o acidente):

  • Até 1.220.000 € em danos materiais;
  • Até 6.070.000 € em danos corporais.

Importa, contudo, saber que este seguro não cobre:

  • Danos que o condutor responsável pelo acidente sofra;
  • Indemnização pelos danos no veículo culpado pelo acidente;
  • Danos provocados a terceiros, em situações de carga e descarga;
  • Indemnização pelos danos derivados de acidentes provocados de forma propositada ou que não respeitaram as normas de segurança rodoviária;
  • Danos corporais em familiares do condutor responsável, até terceiro grau ou que estejam a cargo dele;
  • Acidentes ocorridos em provas desportivas.

Agora, se considerar que precisa de outras coberturas além da obrigatória, há muito por onde escolher, desde a cobertura que oferece proteção do condutor (em caso de morte ou invalidez permanente), até à cobertura que oferece veículo de substituição. O importante é evitar pagar por coberturas que não precisa.

Por exemplo, se comprou um carro novo, provavelmente valerá a pena contratar um seguro com mais coberturas ou um seguro de danos próprios, já que o prejuízo em caso de acidente será consideravelmente grande.

Mas se vai contratar um seguro para um carro com 10 anos, talvez seja melhor ficar-se apenas pelo seguro de Responsabilidade Civil, ao qual poderá juntar, por exemplo, uma cobertura facultativa contra quebra de vidros.

Tome Nota:

Um dos erros a evitar ao contratar um seguro auto é pensar no seguro por si só, ignorando o veículo que se está a segurar. Aconselhamo-lo, por isso, a ajustar a apólice ao valor real do veículo, até porque não há qualquer razão para estar a perder dinheiro desnecessariamente.

 

2. Saber exatamente o que esperar da seguradora em caso de acidente

Se tiver um acidente ou ficar com o veículo imobilizado na estrada, sabe exatamente o que esperar da sua seguradora? Temos a vaga ideia que bastar-nos-á ligar para a Assistência em Viagem e a seguradora tratará de rebocar o veículo, levar-nos de táxi para casa ou arranjar um veículo de substituição.

Na realidade as coisas não são bem assim. Tudo depende, mais uma vez, da sua apólice, nomeadamente dos valores acordados e das coberturas que contratou. Pergunte, informe-se e adapte a apólice às suas necessidades reais.

3. Estar a par dos fatores que influenciam o valor do seguro

Como referido, o seguro de Responsabilidade Civil é o seguro automóvel que é obrigatório por lei. Todavia, esta obrigatoriedade não significa que há um preço de seguro padronizado. Aliás, existem diversos fatores que influenciam o valor a pagar, a saber:

  • A seguradora onde está a contratar o seguro auto;
  • Dados do tomador de seguro (idade, experiência, histórico de acidentes, área de residência);
  • O tipo de coberturas a contratar;
  • Os dados do veículo a segurar;
  • A franquia (quanto maior é, menor o valor a pagar pelo seguro);
  • O Sistema Bonificação (Bónus e Malus), com base no histórico de acidentes.

Já que o seu objetivo é poupar no seguro auto e, ao mesmo tempo, personalizar o seu seguro, aconselhamo-lo a fazer o máximo de simulações possível para, assim, encontrar a melhor oferta do mercado que, neste contexto, é bastante vasta.

Um último conselho: leia atentamente todas as condições do seguro automóvel que vai contratar (incluindo as letras miudinhas) para não ter surpresas quando menos espera.

Bónus – Trata-se da margem de redução no valor a pagar pelo prémio em cada ano, tendo geralmente em conta a ausência de sinistros em determinado período de tempo.

Malus – Trata-se da taxa de incremento no valor anual a pagar pelo prémio do seguro, em caso de sinistro no ano anterior.