Despesas com presentes

Como poupar nos gastos de Natal?

Casa e Família

Sabia que pode poupar nos gastos de Natal? Basta que tenha alguns cuidados e siga os bons conselhos do Saldo Positivo. 06-12-2019

A época natalícia é, tradicionalmente, uma época de excessos. Por um lado, estamos mais predispostos para o consumo, mais vulneráveis às compras por impulso; e, por outro, mais suscetíveis a aceitar alguns excessos quando se trata de presentear todos aqueles que nos são mais queridos.

Aliás, os presentes são, por norma, as despesas de Natal que mais impacte têm no orçamento dos últimos meses do ano. Razão pela qual importa saber como controlar estes gastos.

Há cuidados de base a ter em atenção - até para acautelar a sua estabilidade financeira e, consequentemente, os compromissos já assumidos, tais como pagamento dos créditos, das rendas, das propinas, das despesas domésticas, entre todos os outros que possa ter. É preciso, ainda, ter em atenção o orçamento familiar para o ano que vai começar.

O planeamento é o primeiro passo para o equilíbrio orçamental. Por um lado, permitir-lhe ter uma visão global do que pode efetivamente gastar (isto é, dos limites do seu orçamento); por outro, ajudá-lo-á a antever o impacte que estas despesas terão nos meses seguintes (o que o ajudará a controlar os gastos).

Leia também:  Foi você que pediu um personal trainer financeiro?

Como planear as compras de Natal?

A nossa proposta é que comece por fazer o seu orçamento mensal habitual. Liste os seus rendimentos (tente não incluir o subsídio de Natal ou então, inclua apenas uma pequena percentagem. Isto de forma a que tenha uma almofada financeira para uma qualquer eventualidade) e todas as despesas mensais do seu agregado familiar. A partir daqui será mais simples identificar o que sobra, isto é, o saldo disponível para as compras de Natal.

À parte, numa outra folha de Excel, estime o seu orçamento natalício. Isto é, liste os gastos que prevê para esta época - com presentes, com alimentação, com os eventos sociais da empresa ou com jantares entre amigos.

Depois de identificados estes dois resultados, estará em condições de retirar aqueles gastos que considerar supérfluos ou mesmo de reduzir todas as despesas do seu orçamento natalício.

Leia também:  Como poupam os portugueses?

 

E como é que pode fazê-lo?

1. Compre com antecedência e no local certo

Vamos supor que, nesta fase, já tem uma lista definida de presentes de Natal (dentro do orçamento disponível). Uma dica importante é definir um valor médio para os presentes, ou mesmo estipular um valor por cada um - de acordo com a pessoa que vai presentear.

Posto isto, precisará de pesquisar online onde é que pagará menos por estas compras e deve começar a fazê-lo o mais cedo possível. Recorde-se que comprar prendas nas vésperas da ceia de Natal, normalmente comporta um maior esforço financeiro, até porque estará a comprar por impulso e sem olhar a preços.

Leia também:  Época de saldos: fique a par dos seus direitos?

2. Opte pelas compras online

A nossa sugestão é que opte por comprar online em detrimento das lojas físicas, e por várias razões.

Uma delas prende-se com o facto de algumas destas lojas oferecerem descontos que não encontrará nos locais habituais (e que podem ajudá-lo a baixar o valor da fatura dos presentes natalícios). Além disso, o facto de fazer compras de Natal online permitir-lhe-á comparar melhor os preços e as opções disponíveis. Ou seja, consegue pesquisar alternativas de maneira mais cómoda e fácil para si.

E isto para não falar dos gastos que vai evitar com deslocações aos centros comerciais (e das longas filas de espera). Afastá-lo-á também dos apelos de consumo muito característicos destes espaços comerciais. Há ainda a vantagem de poder solicitar, nalguns casos, que os presentes lhe cheguem devidamente embrulhados.

Leia também: Cibersegurança alerta para os riscos online

3. Antecipe as compras em lojas físicas

Claro que optar pelas compras online pode tornar-se mais cómodo e ainda mais em conta para sua bolsa. Mas, imagine que é daqueles aficionados das compras de rua, que não dispensa o contacto direto em loja e mais, que tem particular gosto pela animação pública pela visita àquelas lojas mais especiais que ainda não vendem online.

Se assim for, existem também algumas cautelas a ter em conta. Por exemplo, dosei este esforço ao longo do ano. Por que não optar por comprar um a dois presentes a partir do inicio do ano? Se o fizer com paciência e cuidado, chegará a esta época, com o seu cabaz bastante composto. Para o ano, acautele esta alternativa.

Leia Também: Sabe usar o seu cartão de crédito?

4. Opte pela estratégia do amigo secreto

Se tem um grande círculo de amigos, uma boa estratégia para reduzir os gastos com as recordações de Natal é a estratégia do “amigo secreto”. Famosa por proporcionar bons momentos de convívio entre todos, trata-se de uma forma simbólica (divertida e barata) de trocar presentes entre amigos e familiares a quem ninguém fica indiferente. Em vez de comprar lembranças para todos eles, comprará apenas uma.

Existem várias plataformas digitais que o podem ajudar na distribuição dos presentes. Experimente a Secret Santa Organizer.A plataforma encarrega-se de fazer a grelha de correspondência entre quem oferece e quem recebe o presente, assim como de enviar, por email, a identificação personalizada de cada amigo secreto.

No que toca aos presentes entre familiares, opte pelas lembranças em vez das opções mais caras. Terá outras oportunidades para compensá-los com um presente mais significativo e caro.

À escala da sua família, pode ainda combinar a compra de presentes apenas para as crianças, deixando aos adultos a responsabilidade de partilhar as despesas com a ceia de Natal propriamente dita.

O que a Caixa pode fazer por si?

 
Faça uma gestão ponderada do seu cartão de crédito. Não queremos com isto dizer que feche a carteira ao seu uso. Deve antes utilizá-lo com as cautelas para que o Saldo Positivo já o alertou. A Caixa tem opções que o podem ajudar nesta tarefa.

Desde logo, com soluções associadas a crédito sem juros até 50 dias, mas também à possibilidade pagar as despesas de maneira fracionada – conforme as suas possibilidades – ou ainda à oportunidade de poupança automática para arredondar o valor das compras e reforçar uma conta poupança.

Saiba mais

Leia também:

Consolidar ou Renegociar créditos?

O que precisa saber sobre reciclagem