A sua empresa favorece a conciliação entre vida profissional e familiar?

Negócios

Comece o ano com medidas que contribuem para o equilíbrio dos seus funcionários. O resultado vai torná-los mais felizes e produtivos. 02-01-2020

Se tem uma empresa, saiba que o seu principal capital são as pessoas. Aqueles que, todos os dias, se juntam a si para tornar realidade cada ideia que determina para o seu negócio. Todos quantos, especialistas numa determinada parte da cadeia de valor, mantém a sua empresa em andamento. Assim, é muito importante que se sintam reconhecidos e valorizados.

Uma excelente forma de valorizar os funcionários é reconhecer a importância de um equilíbrio entre vida profissional e familiar, dotando-os das ferramentas para dar o seu melhor em todas as esferas da vida.

Uma preocupação do Governo e da União Europeia

A prova de que a conciliação entre vida profissional e familiar é importante é que tanto o Governo como a União Europeia têm vindo a desenvolver esforços para sensibilizar os patrões e implementar medidas amigas das famílias. Abordar a questão do equilíbrio familiar e profissional é também abordar a temática da desigualdade de género no trabalho.

O grupo de trabalho da União Europeia propôs uma Diretiva para o equilíbrio entre vida profissional e parental (aprovada a 13 de junho de 2019) com medidas que visam melhorar a vida quotidiana das famílias europeias, garantindo aos progenitores que trabalham, e aos cuidadores, uma real possibilidade de conciliar a vida profissional com a vida familiar. Isto, sem prejuízo em nenhuma das partes. Em janeiro de 2019, foi celebrado um acordo provisório que tem como objetivo ampliar estas medidas, como por exemplo tornar obrigatória a licença parental mínima de dez dias para os pais, reforçar o direito aos quatro meses de licença parental, além de um novo direito garantido de cinco dias de licença por ano e por trabalhador para a prestação de cuidados aos familiares.

Já em Portugal, foi criado o Programa 3 em Linha que visa unir os parceiros sociais na discussão sobre a criação de medidas de conciliação entre família e trabalho.

Leia também:  Quais os incentivos à natalidade?

Porquê implementar medidas de conciliação?

A conciliação entre vida profissional e familiar não se esgota no assunto da paternidade. Na verdade, esta conciliação é importante para todos os funcionários. Para os que têm filhos; para os que cuidam de pais ou avós; para os que são casados; para os que são solteiros, entre outras situações. É saudável que exista uma barreira clara entre trabalho e vida pessoal e que haja espaço em ambas as esferas para desenvolver mais e melhor.

Garantir o bem-estar dos funcionários significa aumentar a dedicação e compromisso dos funcionários, diminuir o absentismo, reduzir os conflitos e valorizar a imagem da empresa. Assim, patrões e equipas de recursos humanos dispensam cada vez mais tempo a procurar medidas que fortaleçam o bem-estar dos seus funcionários.

Leia também:Como gerir o direito de férias dos colaboradores

Três medidas básicas que pode implementar

Além dos limites legais que protegem os funcionários, como a licença de parentalidade, a dispensa para amamentação e consultas, as empresas podem implementar medidas que facilitem a conjugação da vida profissional com a vida pessoal.

Acabar com os telefonemas fora de horas

Telefonemas já depois da hora do jantar, emails enviados de madrugada, chamadas telefónicas feitas durantes as férias…O primeiro passo para conciliar vida profissional e pessoal é definir muito bem os limites de ambas. Embora muito comuns, estas práticas têm um efeito tóxico na vida pessoal dos funcionários.

A prova disto é que, em 2017, em França, foi criada uma lei para proteger os funcionários, obrigando as empresas a definir um horário em que não é obrigatório consultar ou ler emails. Se, na sua empresa, é comum haver este tipo de hábitos, esforce-se por eliminá-los. É que, mais tarde ou mais cedo, poderão levar ao desgaste dos seus funcionários.

Leia Também:ABC da motivação pós-férias

Criar uma cultura de flexibilidade

Esta é uma medida bastante apreciada e, em casos que não requeiram atendimento ao cliente ou horários restritos, muito fácil de implementar. Resume-se a dar a liberdade aos funcionários para fazer o seu horário (dentro de limites previamente determinados), podendo assim conjugar consultas e outros compromissos familiares.

Em alguns casos, é mesmo possível definir uma política de home office em determinados dias da semana, em que os funcionários podem desempenhar as suas funções em casa. Esta prática pode ser mais difícil de implementar em empresas (ou departamentos) cujo trabalho dependa de maquinaria específica ou da presença do funcionário.

Mais do que implementar estas medidas, é importante fomentar uma cultura de flexibilidade, em que os funcionários não se sintam injustiçados perante outro que sai mais cedo (porque tem uma consulta ou precisa de acompanhar um familiar). O importante é que todos percebam que, na empresa, existe espaço para a vida pessoal de cada um e que o correto funcionamento depende, acima de tudo, do nível de compromisso de todos.

Leia também:Novo código do trabalho

Garantir um seguro de saúde para os funcionários

Esta é uma medida que já é posta em prática por muitas empresas. No entanto, vale a pena referir que a atribuição de seguros de saúde é uma medida que deixa os funcionários bastante felizes, especialmente se o seguro for extensível à família. Obviamente que, quanto maior for a empresa, mais fácil será para a empresa negociar com a seguradora mas, de qualquer forma, a simples atribuição de uma alternativa ao Sistema Nacional de Saúde será sempre bem-vinda.

Leia também:

Seguros de Saúde: uma realidade a descobrir

Baixas Clínicas online

Cartões refeição: ter ou não ter