O que deve fazer à máscara de proteção depois de a usar?

Proteção

Usar máscara de proteção passa a ser obrigatório. Saiba que tipologias existem e o que fazer depois de usar. 05-05-2020

A DGS recomenda que a população use máscara de proteção em espaços fechados públicos.

A indicação é recente mas chegou com uma exigência de utilização em vários contextos, por exemplo as compras.

É que já existindo uma transmissão comunitária do novo coronavírus, o contágio é eminente e o uso de máscaras de proteção passou a constar das recomendações oficiais para evitar o contágio.

Sabe, contudo, quais as máscaras que devemos usar? Em que situações? E o que devemos fazer às máscaras descartáveis, depois de as utilizarmos? Vamos responder a estas e a outras perguntas, de acordo com as informações mais recentes e atualizadas.

 

Leia Também: Desconfinamento: as datas a cumprir

 

Máscaras de proteção: o que recomenda a Direção-Geral da Saúde?

 

A Direção-Geral da Saúde recomenda desde sempre o uso de máscaras cirúrgicas de proteção a todos os profissionais de saúde, pessoas com sintomas respiratórios e pessoas que entrem e circulem em instituições de saúde.

As máscaras cirúrgicas de proteção também são aconselhadas a indivíduos mais vulneráveis, como pessoas com mais de 65 anos de idade ou com doenças crónicas e em estado de imunossupressão, quando saem de casa.

Finalmente, a máscara cirúrgica de proteção é ainda aconselhada a grupos profissionais, como forças de segurança e militares, bombeiros, distribuidores de bens essenciais ao domicílio, trabalhadores nas instituições de solidariedade social, lares e rede de cuidados continuados integrados, agentes funerários e profissionais que façam atendimento ao público, onde não esteja garantido o distanciamento social.

 

Leia Também: Estado de Emergência: O Dia seguinte.

 

E as máscaras comunitárias ou de uso social?

 

Paralelamente, e de maneira mais recente, a DGS recomenda o seu uso a todos os indivíduos que partilhem espaços fechados, como supermercados, farmácias, lojas ou estabelecimentos comerciais, transportes públicos, entre outros.

Estas máscaras são de fabrico têxtil, e de uso único ou reutilizável, conforme os requisitos obrigatórios, regulamentados e fiscalizados pela Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE).

Este aspeto é fundamental porque, como já reforçado pela Organização Mundial da Saúde e pelo Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças, as máscaras cirúrgicas devem ficar reservadas, preferencialmente, aos grupos profissionais na área da Saúde e todos os restantes de maior fragilidade clinica.

 

Leia Também: Trabalhador independente: como aceder ao subsídio de doença?

 

Categorização das máscaras por tipo de utilizador, segundo o INFARMED

Categorização das máscaras por tipo de utilizador
DestinatárioTipo de Máscara
Profissionais de saúde e doentes
(Nível 1)
Semi máscara de proteção respiratória (FFP2, FFP3). Máscaras cirúrgicas Tipo II e IIR. Não reutilizáveis.
Profissionais em contacto frequente com o público
(Nível 2)
Máscaras cirúrgicas tipo I Não reutilizáveis. Máscaras alternativas para contactos frequentes com o público, de uso único ou reutilizáveis.
Profissionais que não estejam em teletrabalho ou população em geral para as saídas autorizadas em contexto de confinamento
(Nível 3)
Máscaras alternativas para contactos pouco frequentes, de uso único ou reutilizáveis.

 

Leia Também: Estado de Emergência ou de calamidade: descubra as diferenças

 

O que diz a Ordem dos Médicos?

Além da Direção-Geral da Saúde, também a Ordem dos Médicos, o Sindicato Independente dos Médicos, as escolas médicas, entre outras instituições públicas, apoiam o uso comunitário das máscaras de proteção em espaços públicos.

As máscaras comunitárias de proteção, de uso único ou reutilizável, independentemente do material, devem ter um desempenho mínimo de filtração de 70%, permitindo um uso ininterrupto de quatro horas sem degradação da capacidade de retenção de partículas e nem da respirabilidade, conforme as especificações técnicas da DGS.

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães em declarações ao portal e-Konomista, e depois de referir o material em algodão das máscaras comunitárias,  acrescentava,  “quando estou com uma máscara comunitária, estou com uma proteção muito semelhante àquilo que é uma máscara cirúrgica. Se eu estiver a usar máscara, estou a proteger a pessoa que está à minha frente e se a pessoa que está à minha frente, também estiver a utilizar uma máscara, está a proteger-me a mim”.

 

Leia Também: Visite Covid19EstamosOn

 

Sabe o que deve fazer à sua máscara de proteção, depois de a usar?

 

Como pôr e tirar a máscara de proteção

É importante lembrar que a máscara é um complemento às restantes medidas de proteção e prevenção do contágio. Só colocando e retirando a máscara corretamente é possível evitar o risco de propagação.

 

Ao pôr a máscara de proteção (cirúrgica ou comunitária), deve:

 

  1. Lavar corretamente as mãos;
  2. Pôr a máscara com o lado branco (interno) virado para a face e o lado colorido (externo) virado para fora;
  3. Ajustar a máscara à face, cobrindo nariz, boca e queixo;
  4. Não tocar na máscara, enquanto a usa.

 

Ao tirar a máscara de proteção (cirúrgica ou reutilizável), deve:

 

  1. Lavar bem as mãos;
  2. Tirar a máscara a partir da parte de trás, pegando nos atilhos ou elásticos, sem tocar na frente da máscara;
  3. Deitar a máscara no saco/caixote do lixo, caso não seja uma máscara reutilizável;
  4. Lavar novamente bem as mãos.

 

Veja aqui o vídeo da Direção Geral de Saúde sobre as melhores práticas de uso das máscaras.

A Caixa não para

Para visualizar este vídeo precisa de instalar o Flash Player

 

Tome Nota:

As máscaras (cirúrgicas ou comunitárias) devem ser trocadas a cada 4/6 horas de uso, dependendo da humidade criada.

 

Leia Também: Aproveite o tempo em casa

 

Como descartar corretamente a máscara de proteção cirúrgica

Ao contrário das máscaras têxteis reutilizáveis, a máscara cirúrgica não é lavável. Deve ser descartada, logo após um uso.

No momento de retirar a máscara (e, também, as luvas e os lenços de papel), deve descartá-los e – de preferência coloca-los num saco fechado. Depois, deve depositá-lo no lixo comum e não nos ecopontos. Todos podem ser portadores do vírus e não servem para reciclagem.

Também o lixo produzido por pessoas infetadas pelo novo coronavírus deve ser devidamente isolado em duas sacas e colocado no lixo comum - sempre dentro do contentor.

 

Leia Também: Desconfinamento: as datas a cumprir

 

E a máscara de proteção têxtil ou reutilizável?

Já no caso da máscara de proteção têxtil reutilizável, depois de a remover com os mesmos cuidados que a máscara de proteção cirúrgica, deve lavá-la de acordo com as indicações do fabricante, idealmente desinfetá-la com detergente, na máquina de lavar roupa, a uma temperatura de 60ºC. O Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e Vestuário de Portugal (CITEVE) dá-lhe mais detalhes sobre estas especificações.

Finalmente, deve deixá-la secar bem e pode até usar o ferro de engomar, se assim desejar. O número de vezes a reutilizar esta máscara deve ser indicado pelo fabricante.

 

Tome Nota:

A máscara deve ser entendida como uma medida de proteção complementar a outras, como o distanciamento social, a higienização das mãos e a etiqueta respiratória.

 

Leia Também: