IA

Inteligência Artificial: o que é e como influencia o seu dia a-dia

Fornação e Tecnologia

A IA é uma das grades promessas tecnológicas do futuro? É que já está bem presente na sua vida e que deve saber como. Veja aqui. 17-12-2021

Tempo estimado de leitura: 10 minutos

 

Utiliza o e-mail ou a app do banco? Então a Inteligência Artificial faz parte da sua vida. Mesmo que não dê por nada.

A Inteligência Artificial está presente em pequenos detalhes da nossa vida, muitas das vezes sem darmos conta. Desde o assistente virtual do seu telemóvel ao sistema de atendimento automático nos hospitais.

Quais as vantagens e os perigos inerentes à inteligência artificial no dia-a-dia é o que procuramos explicar neste artigo. Saiba mais sobre a IA e as suas implicações.

Leia também:

 

O que é a Inteligência Artificial?

A definição de Inteligência Artificial (IA), remete-nos para a capacidade de uma determinada máquina reproduzir competências semelhantes às de um ser humano. Entre elas a análise de dados, a aprendizagem e a capacidade de planear os passos seguintes a partir de um conjunto de dados-

Algumas das aplicações da inteligência artificial remontam há quase meio século. Mas o desenvolvimento tecnológico ocorrido nos últimos vinte anos aumentou de forma significativa a sua importância e presença na sociedade atual.

Leia também:

 

7 exemplos do uso da Inteligência Artificial no dia a dia

Ao contrário do que muitas vezes se pensa, o uso da Inteligência Artificial é mais vulgar do que temos noção. Ela está cada vez mais presente no nosso quotidiano. Muitas vezes sem sequer darmos conta de que estamos a utilizar a IA.

O recurso a sistemas de automação inteligente permite aos computadores adaptar, por exemplo, a publicidade que visualizamos online, melhorar os resultados das pesquisas que fazemos na Internet, em função de pesquisas anteriores, ou aceder a traduções automáticas de páginas. Mas as aplicações da inteligência artificial não ficam por aqui.

 

Os navegadores por GPS

Com o crescimento dos smartphones, aumentou também o recurso a aplicações de navegação por GPS. Algumas das mais conhecidas, como o Google Maps ou o Waze, permitem-nos saber em tempo real o estado do trânsito e, a partir daí, poder optar pelas rotas mais rápidas para ir do ponto A ao ponto B.

Estas aplicações utilizam inteligência artificial para interpretar os dados introduzidos por outros utilizadores, nomeadamente a indicação de acidentes, trabalhos na via ou trânsito congestionado, de modo a sugerir o trajeto ideal.

Leia também:

 

Desbloquear telemóvel com identificação facial

Os smartphones mais atuais permitem aos utilizadores desbloquear o seu telemóvel com uma simples leitura do rosto ou da impressão digital, sem necessidade de inserir um código de desbloqueio.

O FaceID da Apple, por exemplo, permite, através da câmara, mapear em três dimensões o rosto do utilizador. Sempre que este tentar desbloquear o telemóvel, o algoritmo compara o rosto com a imagem registada no sistema para validar a sua identidade. O reconhecimento facial pode ser também utilizado como modo de autenticação para pagar as compras, por exemplo.

Leia também:Segurança online: como estar atento e evitar os perigos da internet

 

Algoritmos das redes sociais

Os utilizadores de redes sociais têm cada vez maior noção de que aquilo que veem no feed é o resultado de um algoritmo que personaliza o conteúdo em função do modo como interagiram com outros posts, no passado. Mas a Inteligência Artificial vai mais longe e potencia, por exemplo, que uma imagem de um utilizador partilhada na rede social por um outro internauta possa ser rapidamente identificada.

Leia também: Sigilo bancário: como falar com o seu Banco pelas redes sociais?

 

Aplicações de streaming

O uso de plataformas de streaming como a Netflix ou a Disney+ são outro exemplo de como a Inteligência Artificial está embrenhada no nosso dia-a-dia. Os algoritmos de recomendação destas plataformas fazem uma análise muito pormenorizada do que vimos, e a que horas vimos, para sugerir novas séries ou filmes a visualizar.

 

Pesquisas por voz

Alguns dos exemplos mais conhecidos de IA são a Siri da Apple, a Alexa da Amazon ou a Cortana da Microsoft, todos eles assistentes virtuais de voz. Através da chamada linguagem natural, os equipamentos dotados de IA conseguem reagir e responder a mensagens de dados de texto ou voz e responderem também com texto ou fala própria às questões que são colocadas pelos utilizadores.

 

O QUE A CAIXA PODE FAZER POR SI?

Se mantém dúvidas sobre o potencial de uso de uma assistente virtual, note que
a Banca - nomeadamente associadas as suas apps - já mostra exemplos claros da sua aplicação e das valências que proporciona.

 Saiba Mais Aqui

Leia também:

 

O correio eletrónico

O email é outra área do nosso dia-a-dia em que a IA tem uma presença significativa, sem que a maioria dos utilizadores se dê conta disso. Ferramentas como a verificação gramatical ou ortográfica podem estar ativadas enquanto o utilizador redige a mensagem para o ajudar a escrever sem erros. Essas ferramentas usam inteligência artificial e processamento de linguagem natural.

Mas o correio eletrónico socorre-se também da aprendizagem da máquina (machine learning) para melhorar a cada email, enviado os filtros de spam, evitando que o utilizador seja incomodado com mensagens fraudulentas ou desinteressantes.

 

A app do banco

A inteligência artificial também está igualmente presente na banca, não só no que diz respeito à automação de processos, mas também no serviço de apoio ao cliente. A assistente virtual do homebanking ou da app do seu banco é um desses exemplos. Através de instruções de voz, ou por mensagens de texto, é possível esclarecer dúvidas, consultar o saldo e movimentos, ou pedir ao assistente para executar determinadas ações como transferências e pagamento de faturas.

Leia também:

 

O papel da IA no combate à COVID-19

Uma das áreas em que a Inteligência Artificial tem sido preponderante é a medicina, incluindo no combate à COVID-19. Um bom exemplo disso é o IA InferRead™ CT Lung COVID-19, um projeto financiado pela União Europeia e já a ser aplicado em onze hospitais europeus.

Esta tecnologia interage com os equipamentos de Tomografia Computorizada (TAC) das unidades hospitalares e analisa as imagens dos pulmões. Ao invés de um estudo apurado e longo por parte da equipa médica, este software analisa as imagens e compara-as com todos os dados recolhidos anteriormente. Tudo isto em breves instantes. Ou seja, a identificação de sinais da presença do SARS-CoV-2 e lesões provocadas nos doentes, torna-se mais célere e eficaz.

A velocidade e autonomia da análise feita pelo IA InferRead™ CT Lung COVID-19 permite libertar os médicos para o atendimento a outros doentes. Desempenha ainda um papel importante, por exemplo, nos sistemas de controlo térmico em aeroportos e outras áreas de elevada afluência.

 A inteligência artificial nas empresas

A utilização da inteligência artificial nas empresas é já uma realidade. Ajuda a diminuir a carga de trabalho manual. Na indústria automóvel, por exemplo, desempenha um papel fundamental num conjunto significativo de processos que agilizam e aumentam a produtividade. De acordo com um estudo da consultora Accenture, estima-se que nos próximos 15 anos a IA irá contribuir para aumento de 40% de produtividade nas empresas.

Leia também:

 

Alguns riscos da Inteligência Artificial?

Um dos perigos apontados aos mecanismos de IA liga-se à sua capacidade de identificar e trabalhar dados pessoais. Nomeadamente, com a construção de algoritmos que definem, por exemplo, e a cada momento, as publicações ou entradas que nos surgem no feed das redes sociais ou nas pesquisas dos motores de busca.

Um dos casos mais conhecidos é o da Cambridge Analytica. Esta empresa de consultoria política recolheu informação de milhões de norte-americanos, através do facebook, para apresentar propaganda direcionada e delinear estratégias eleitorais.

Na China, por exemplo, está em funcionamento um sistema de crédito social, em que a IA desempenha um papel central na recolha de milhares de dados sobre os cidadãos - desde o que publicam nas redes sociais, às compras que fazem ou ao modo como conduzem.

Leia também: