Poupar na luz

Os 4 mecanismos para reduzir na conta da luz

Casa e Família

Poupar na luz não é apenas um objetivo vago, é uma realidade que pode fazer a diferença. Saiba aqui como garanti-lo. 21-10-2020

Da tarifa social ao IVA reduzido para potências mais baixas, conheça os mecanismos que lhe permitem reduzir a conta da luz.

Praticar um consumo mais eficiente é o primeiro passo para reduzir a conta da luz. Para otimizar o seu consumo energético há não só que adotar um conjunto de hábitos de poupança, mas também estar devidamente informado sobre os mecanismos que tem à sua disposição para reduzir o consumo de energia e, por conseguinte, o valor das faturas da luz, da água ou mesmo do gás no final do mês.

Desde conhecer a potência ideal a contratar, que pode influenciar a taxa de IVA a pagar, até à possibilidade de ter descontos na fatura, com a tarifa social de eletricidade, estes são os mecanismos a que deve estar atento.

Leia Também:Moratórias e cortes de água e luz: as mudanças

 

Como reduzir a conta da luz e poupar todos os meses

Ajustar a potência contratada às suas necessidades

Uma parte do valor que paga na sua fatura de eletricidade é referente à potência contratada. Este é um custo fixo, calculado em quilowatts (kWh), que é mais elevado quanto maior for o termo de potência contratado. Por essa razão, é fundamental ajustar esta referência do seu contrato de eletricidade aos hábitos de consumo. Por que motivo pagar mais do que aquilo que efetivamente consome?

Supondo que o seu quadro de luz nunca disparou quando ligou dois ou mais eletrodomésticos ao mesmo tempo, então, será provável que tenha espaço de manobra para reduzir a potência contratada. Confira se isso é possível e depois avance em conformidade junto do seu fornecedor.

No que respeita ao consumo doméstico, o termo fixo de potência mais contratado situa-se entre os 3,45 kWh e os 6,9 kWh. Importa avaliar, antes de alterar a potência, o número total de eletrodomésticos que tem em casa e quantos deles utiliza ao mesmo tempo. Pode sempre pedir ajuda a um eletricista ou mesmo à entidade fornecedora eletricidade. Perceber qual o nível de potência ideal para o seu caso em particular é um passo muito importante.

Caso chegue à conclusão de que pode baixar o termo de potência contratada, solicite este ajustamento ao seu fornecedor. Este procedimento não tem, até ao momento, qualquer encargo para o consumidor.

 

Que potência contratar?

De acordo com o simulador da EDP, a potência de 3,45 kWh serve para alimentar simultaneamente um frigorífico, uma máquina de lavar roupa ou louça, uma televisão e um computador. Se pretender ter ligado em simultâneo o micro-ondas esta potência já não aguenta.

Já para ter um frigorífico, uma máquina de lavar roupa ou louça, um micro-ondas ou um aquecimento, até duas televisões e um computador, deverá contratar uma potência de 4,6 kWh.

Leia Também:As 5 respostas sobre o IVA da eletricidade

 

Considerar a relação entre potência contratada e IVA

Desde 2019, os contratos com um termo de potência até 3,45 kWh já beneficiavam de uma taxa de IVA de 6%, medida enquadrada legalmente pelo Decreto-Lei n.º 60/2019.

A somar a este benefício, a partir do dia 1 dezembro de 2020, o IVA vai passar de 23% para 13%, até aos primeiros 100 kWh consumidos nos contratos com potência contratada até aos 6,9 kWh. Acima do patamar dos 100 kWh (por período de 30 dias), mantém-se a taxa de IVA mais alta, de 23%.

De acordo com a lei, os agregados familiares mais numerosos também vão poder beneficiar de uma majoração de 50%, até aos 150 quilowatts por mês. Porém, esta majoração só entra em vigor em março de 2021.

As contas apresentadas pelo próprio Governo estimam que esta redução do IVA da eletricidade, que abrange quer o mercado liberalizado, quer o mercado regulado, permitirá uma poupança que pode variar entre 18 euros anuais para a generalidade das famílias e os 27 euros anuais para as famílias mais numerosas.

Leia Também: Tarifa social de eletricidade: quem tem direito e quanto pode poupar

 

Apostar em tarifas de discriminação horária

As tarifas de discriminação horária podem ser fortes aliadas da poupança, se conseguir fazer uma boa gestão dos seus consumos nos períodos em que a eletricidade é mais barata.

No que respeita às opções horárias, pode escolher entre três modalidades: simples, bi-horária ou tri-horária. A opção horária pode obedecer a um ciclo diário (os períodos horários são iguais todos os dias do ano) ou semanal (os períodos horários mais económicos são diferentes nos dias úteis e aos fins de semana, sendo que podem variar ainda com a época do ano).

Na primeira opção, a tarifa da eletricidade é a mesma em qualquer altura do dia, todos os dias da semana e em qualquer altura do ano.

Na tarifa bi-horária, existem dois preços distintos para os consumos, de acordo com dois períodos e horários de consumo, a saber:

  1. Horas de vazio: a eletricidade tem um custo mais reduzido - por norma, no período noturno e aos fins-de-semana;
  2. Horas fora de vazio: paga mais pelo consumo de eletricidade porque é nestas horas que geralmente se gasta mais eletricidade.

 

Já a tarifa tri-horária é similar à tarifa bi-horária, mas com três períodos de consumo:

  1. Horas de vazio: eletricidade a preços mais baixos nas horas do período noturno (a partir das 22 horas) e aos fins-de-semana;
  2. Horas de cheias: eletricidade com preços intermédios;
  3. Horas de ponta: eletricidade com preços mais elevados.

 

Leia Também: Esteve ausente e as faturas da luz e água aumentaram? Como atuar?

 

Analisar as condições de elegibilidade para aceder à tarifa social de eletricidade

A tarifa social da eletricidade e de gás natural é um apoio social que se destina a famílias que se encontram numa situação de carência socioeconómica. Traduz-se num desconto na tarifa de acesso às redes de eletricidade e de gás natural, seja no mercado regulado ou no mercado liberalizado, permitindo, deste modo, uma redução do valor a pagar pela fatura energética mensal. O valor do desconto, em 2020, é de até 33,8% sobre as tarifas de venda a clientes finais.

Têm direito a esta tarifa os consumidores que tenham um contrato de fornecimento de eletricidade em seu nome e com uma potência contratada igual ou inferior a 6,9 kWh, destinado exclusivamente ao uso doméstico em habitação permanente.

A acrescentar a esta condição, o titular do contrato de eletricidade tem de ser considerado economicamente vulnerável, isto é, deve beneficiar de uma das seguintes prestações sociais:

  • Complemento solidário para idosos;
  • Rendimento social de inserção;
  • Subsídio social de desemprego;
  • Abono de família;
  • Pensão social de velhice;
  • Pensão social de invalidez.

 

Leia Também:Tarifa social de eletricidade: quem tem direito e quanto pode poupar

Se não recebe qualquer uma destas prestações sociais, mas tem um rendimento anual até 5.808 euros - acrescido de 50% por cada elemento do agregado familiar que não tenha qualquer rendimento (até ao máximo de 10) - também pode aceder à tarifa social.

Note que esta tarifa, devidamente enquadrada pela Portaria n.º 178-B/2016, é atribuída automaticamente pela Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG), após cruzamento de dados entre a Autoridade Tributária e Aduaneira e a Segurança Social.

 

Dicas de poupança para reduzir a sua conta da luz:

  1. Habitue-se a desligar a luz sempre que sai de uma divisão para a qual não pretende voltar tão cedo;
  2. Troque as lâmpadas tradicionais por lâmpadas LED;
  3. Baixe a temperatura da caldeira ou do esquentador;
  4. Desligue todos os botões de stand-by dos eletrodomésticos. Mesmo não estando a ser utilizados, se a luz de stand-by estiver acesa, os eletrodomésticos continuam a consumir energia;
  5. Escolha eletrodomésticos com etiquetas energéticas mais eficientes (A+, A++ ou A+++). O investimento inicial pode ser maior, mas, a longo prazo, a poupança compensa significativamente;
  6. O frigorífico é um dos eletrodomésticos que mais energia gasta numa casa, razão pela qual deve evitar abrir e fechar a sua porta muitas vezes seguidas. Crie o hábito de retirar ou guardar tudo o que precisa de uma só vez;
  7. Não coloque alimentos ainda quentes ou mornos no frigorífico, caso contrário o frigorífico terá de consumir mais energia para os arrefecer eficazmente;
  8. Evite a acumulação de gelo no congelador ou arcas frigoríficas, de forma a manter uma maior eficiência energética.
  9. Passe a ferro o maior volume de peças em cada momento. Deste modo, evita o consumo de energia ao ligar e desligar o ferro;
  10. Depois de carregar o telemóvel ou outros dispositivos, não deixe os carregadores nas tomadas, isto porque continuarão a gastar energia;
  11. Desligue o fogão ou o forno alguns minutos antes do tempo previsto. O calor acumulado acabará de cozinhar os alimentos na perfeição, enquanto poupa energia;
  12. Certifique-se de que todas as janelas e portas de casa estão bem isoladas;
  13. Em vez de utilizar uma máquina de secar roupa, seque a roupa ao ar livre, quando possível. Além disso, não encha a máquina de secar roupa, pois a roupa vai demorar muito mais tempo a ficar seca;
  14. No inverno, abra as cortinas e estores durante o dia para permitir que o sol aqueça a casa. No verão, faça o contrário, para não ter que gastar energia com o ar condicionado ou ventoinhas.

 

Tome Nota:

E como poupar nos gastos de água?

  1. Aproveite a capacidade total da máquina de lavar roupa e lavar louça de forma a evitar o desperdício de água. Além disso, opte por temperaturas entre os 30º e 40º em vez dos 60;
  2. Feche a torneira da água enquanto lava as mãos, os dentes ou o cabelo;
  3. Troque os banhos de imersão por duches;
  4. No duche, tente aproveitar o caudal inicial da água enquanto aquece;
  5. Certifique-se de que não tem nenhuma torneira a pingar;
  6. Instale dispositivos de redução de caudal em todas as torneiras, inclusive no chuveiro;
  7. Quando for preparar as suas refeições, evite usar tachos e panelas demasiado grandes para a quantidade de alimentos que vai cozinhar e encha-os apenas com a água necessária para o efeito;
  8. Programe a máquina de lavar louça para terminar antes do programa de secagem e deixe a louça secar ao ar livre.

 

Leia Também: