Acesso Caixadirecta

Com o Caixadirecta tem acesso ao seu Banco em qualquer lado.

Aceda com o seu Nº de Contrato (Particulares) ou código de empresa (Empresas) e complete a sua autenticação no ecrã seguinte.

Empresas
Particulares
Fechar

Acesso Caixadirecta

Particulares
Empresas
Análise Economia e Mercados
Análise Economia e Mercados

Análise Semanal

  • De acordo com o INE, as empresas antecipam que as exportações de bens registem um crescimento de 7.2% em 2021, uma melhoria tanto em relação à forte queda observada em 2020, como em relação à previsão anterior de 4.9%.

  • Segundo o Banco de Portugal, o Indicador Coincidente Mensal da Atividade Económica registou uma variação homóloga de -0.5% em maio, o que representa um aumento de 1.2 p.p. relativamente ao mês anterior (-1.7%).

  • Segundo o Eurostat, entre janeiro e abril de 2021 Portugal registou um défice da balança de bens de €4.0 mil milhões, o que compara com um défice de €5.7 mil milhões no período homólogo.

Análise Mensal

A Caixa Gestão de Ativos, SGOIC, SA (empresa do grupo Caixa Geral de Depósitos) defende o princípio da diversificação de investimentos, por diferentes classes de ativos, geografias e setores de atividade e o acompanhamento da evolução dos diferentes mercados financeiros.
A alocação a cada classe de ativos nos produtos da Caixa Gestão de Ativos é realizada em função da sua análise das condições de mercado, a cada momento. Na preparação da presente informação não foram considerados objetivos de investimento, situações financeiras ou necessidades específicos dos clientes, não tendo existido na sua elaboração a adequação da informação a qualquer investidor efetivo ou potencial nem ponderadas circunstâncias especificadas de qualquer investidor efetivo ou potencial.
A visão apresentada na presente informação reflete apenas o posicionamento da Caixa Gestão de Ativos, não constitui uma recomendação de investimento e não pode servir de base à compra ou venda de ativos nem à realização de quaisquer operações nos mercados financeiros.

  • Num mês que a Fed anunciou que se irá iniciar a discussão sobre o “tapering”, os mercados acionistas voltaram a atingir máximos de vários anos, suportados pelos avanços nos processos de vacinação e pela redução das medidas de confinamento.

  • A evolução favorável do contexto pandémico e da divulgação de dados económicos positivos geraram suporte para melhores desempenhos dos ativos de risco, em contraposição com a relativa estabilidade dos mercados de dívida pública.

  • No mês de abril os investidores evidenciaram uma maior propensão por ativos de risco, visível nas valorizações das classes de matérias-primas e de ações, com alguns mercados destas a atingirem novos máximos históricos ou de vários anos.